30 de ago de 2011

Tantos devaneios
receios
ninguém sabe o que
tem no meio
como um biscoito lacrado
que não se vê o recheio


Camila Karina






*Poeminha de bom humor, na hora da fome

28 de ago de 2011

Quem segura o medo pelas mãos é a possibilidade. 
Não estamos imunes ao temor, mas estamos cheios
de coragem
- Medo, não tema! A possibilidade também tem coragem!


Camila Karina

27 de ago de 2011

Quem diria que as adversidades são palhaços camuflados? Quem não percebe, se enfurece. Quem percebe, dá gargalhadas.




Camila Karina

24 de ago de 2011

Quem disse que para andar nas nuvens precisa tirar os pés do chão?

Camila Karina

23 de ago de 2011



Para entender melhor é preciso chegar mais perto
Para chegar mais perto é preciso voar ( não só fisicamente)


*Quando se voa pela mente, a libertação é completa 




Camila Karina

16 de ago de 2011

Se isso se trata de um jogo 
com cartas cheias de coringas
Dispenso a risada de jogatina
"Sorte no jogo, azar no amor"
Quero justamente o contrário
Nenhum jogo paga este valor

Camila Karina


*Carta? Só se for de amor

15 de ago de 2011

- Quando você deixou de querer as grandes explicações profundas?
- É que me deparei com a simplicidade 




Camila Karina




*Grandes explicações nunca explicarão grandes sentimentos
Quem só vê
 seriedade em demasia é porque
 não passou da porta
para dentro da casa
dos sorrisos

Camila Karina

14 de ago de 2011

Quantas
voltas
hei de dar
para que 
meu coração
fique no seu
devido lugar? 


Camila Karina




*Ainda tem vaga no seu coração?

13 de ago de 2011

Se é nos sonhos
que tenho
as mais claras
respostas
De repente
a chuva
de pensamentos
interrompeu o sinal


Camila Karina




*Quero acordar e não lembrar de mais nenhum sonho contigo (enquanto tiver raiva)

12 de ago de 2011

Comemore com seu troféu da minha atenção
A perda? A boa intenção

Camila Karina
Este é o limbo
onde ninguém perde,
ninguém ganha
Só acumulam
quereres, dizeres
que não tem destino
pairam, minando
os prazeres

Camila Karina

Nesta guerra fria
Se lutamos para ter razão
Qual o prêmio de consolação?

Camila Karina

11 de ago de 2011

Aqui jaz uma pequena chama
Sem tristezas
Só percepções
e esclarecimento


Camila Karina
Seu imbecil. Meu imbecil

Camila Karina


*O que parece ofensa, é uma maneira de amar aceitando os defeitos estampados tanto para você quanto para o outro

10 de ago de 2011

Prefiro a solidão
do que repetições

Camila Karina
Minha sensitividade
anda comprometida
por certos sentimentos
Será medo ou intuição?


Camila Karina


*Qualquer comprometimento é difícil, até quando nos comprometemos conosco
"As palavras sinceras não machucam" 
Os culpados pelos destinos errôneos
que damos à elas, somos nós 

Camila Karina

*Inspirado no texto do blog Secando no varal
Num pequeno tempo
Num pequeno trecho
Cabem o sabor
e o amargor
da realidade


Camila Karina


*O mínimo  as vezes é o limite

9 de ago de 2011

O coração avisa e nunca grita, fala baixo, quase sempre intriga. Acontece que nos acostumamos a ouvir gritos por todos os lados e esperamos que o coração faça o mesmo. Queremos comandos enérgicos. A voz baixa quase nunca convence. Só convence com muita atenção, mas quando se trata do coração, ficamos multifocais. O coração dá alertas e quase sempre negamos. Alerta para nós são sirenes, o coração aperta mas não soa. O coração fala e não damos ouvidos, mas sabemos que ele falou: -"Meu coração me disse..". Aquela voz passou despercebida. Se existe inquietação, queremos o turbilhão em seguida. Uma espécie de jogo de dardos, queremos acertar a mão. Um lição um tanto invisível. -Meu coração falou e não ouvi direito? -Ouvi e não quero entender? Que aflição! O coração é calmo, nós não. 

Camila Karina


Meu coração e mente
Descrente
Nesta corrente
que vinga se sente
mas será que mente?
O que sinto é
desconfiança
de repente
Mas não
sem precedente


Camila Karina

O futuro sempre é possível
e nunca está em nossas mãos
Está entre os dedos
Futurível

Camila Karina
Como saber
o momento
de dizer
adeus
velho tempo?


Camila Karina
Como ter certeza
do novo se ele
nem ao menos
disse a que veio?


Camila Karina

8 de ago de 2011

Atravessei pela
longa ponte do esquecimento
e me deparei com um novo caminho
Límpido, mas sem sinalizações
Por vezes me sinto perdida, confusa
e com muito trabalho pela frente
É assim que se iniciam
as grandes cidades
no coração e na mente

Camila Karina

7 de ago de 2011









Qual será o pior medo:
Do novo? Ou de esquecer o que já foi?

Camila Karina

5 de ago de 2011

A luz em si, sempre está por perto, nós, quase sempre por motivos alheios, a deixamos para fora. Até mesmo para a luz entrar existe um momento certo?  Será o nosso tempo ou tempo da própria luz? Queremos espaço livre e liberdade. A luz também.


Camila Karina

4 de ago de 2011

Cautela é comodismo? Não quando se trata do coração
Cautela é covardia? Não quando se espera um sinal
O que seria a cautela então? Qualquer preparo
que se encaminhe para um bom final

Camila Karina 
Meu alvo?
Teus lábios
Teus olhos
e coração

Camila Karina 
A graça da vida são as ironias que nos fazem sorrir
por nos pegarem desprevenidos
 e trazerem novas esperanças. 
Que ironia não?


Camila Karina

2 de ago de 2011

Num roteiro de sessão da tarde
Sou a garota má
que se dá conta
dos tesouros
no fim da história
Que agora
já passa
em outra hora


Camila Karina




*Entrei para a estatística dos clichês românticos
Nada  muda
Nada
Muda
Diante do que já foi
O que muda
é você
sou eu
Metamorfoses
não precisam de
anúncios

Camila Karina

1 de ago de 2011

Ah, pobre de mim
que pensara sobre
os efeitos do cansaço ! 
Um bom preparo
Um bom amparo
para as seletas
surpresas
que me deparo


Camila Karina 

*O cansaço também renova. Cansaço também é crescimento. 
Nada de contagens
Nada de vantagens
Nada de mensagens (previstas)
Só novidades
Mandadas pelas divindades


Camila Karina

Pensaram por aqui

 

Copyright 2010 Paralelos do Cotidiano.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.