30 de jun de 2010

Minha liberdade
A verdadeira liberdade
Iniciou quando dedilhei
Toquei 
Teus
Cílios
Reparei
Em todos os centímetros
Pulsei
De todo coração
Vibrei
Com todos os encontros
Dancei
Na dança das mãos
Nesse vai e vem
Entrelaçadas
Te encontrei
Minha liberdade

Camila Karina

29 de jun de 2010

A matilha que há muito tempo adormecia
Despertou
Acordou com seus corações pulsantes
Sentidos no estômago
Olhos atentos
Passos lentos
Todos a postos
Recuar

Camila Karina

28 de jun de 2010

Que os ventos o levem
Que o tempo carregue
Tão alto
Além da percepção
Os ventos que seguem
Com o tempo professe
Os segredos
 mistérios
Deste enigma
Que o livre do limbo 
Com astúcia
Instinto 

Camila Karina

27 de jun de 2010

Como descobrir que substâncias se misturam?
Que particulas se unem?
Que densidades se compõem?
Que alquimias podem descobrir?
Vive-se de perguntas ou vive-se de sentir
No experimento
Vida
Ao se entregar
Para o ensaio da existência
Nossas dimensões
Misturam-se
Unem-se
Compõem-se
Vida
Fórmula inifita

Camila Karina

25 de jun de 2010

Tiro as aspas
Largo as amarras
Me dou conta
A prática amplia
a emoção
 
Tiro as aspas
Abaixo as armas
Me deixo levar
 

É simples 
Sem mistérios
Nós que acabamos por complicar
 
A leveza
A ternura
O sentido de tudo
Amar

Camila Karina

24 de jun de 2010

Eu sinto
Contido
Num container
Esta emoção
Um contraste
Por dentro
Aflição
O que causa
Não determina
A sensação
Eu sinto
Contido
Me foge o motivo
Dos porquês
Não  compartilho
Contigo


Camila Karina

22 de jun de 2010



Entre linhas
Reticências
Direto ao ponto
Nosso objeto
Secreto
Sem vírgulas
Você embarca 
Na minha confusão
Esta bagunça 
Um furacão
Você percebe
Você me vê
Você entende
Você me lê 
Nas entrelinhas

Camila Karina

Por toda hostilidade
Por toda agressividade
Por todas as lástimas
Por todas as lágrimas
Por todas as punições
Por todas as colisões
Por todos os nós na garganta
Por todas as angústias
Por todas as esperas
e palavras severas
Presumindo que a vida ensina
Desdém

Camila Karina

21 de jun de 2010

Na luta 
Quem segura seus ânimos?
Quem não se torna insano?
Quem não se torna anjo e demônio?
De conciliador a opositor
Quem não excede limites?
Fica sem filtros, requintes
Na luta pelo amor
Nenhum dia é igual
Nada parece normal
Me elevo, me abaixo
Deixo esta força ascender 
Queimar o fogo
Alastrar labaredas 
A lida é diária
Diante da natureza morta e sem cor
Sou uma incendiária 

Camila Karina

20 de jun de 2010

Qual preço

Você paga pela honestidade?

Qual peso

As costas levam pela sinceridade?

A recompensa é escassa
Na balança
Na tabela
Do tempo

Com este preço
Com este peso
A melhor escolha
Talvez seja o silêncio


Camila Karina

18 de jun de 2010

Me perdi
Me joguei
Adormeci
Me rendi
Me envolvi
Compreendi
Me achei
Acordei
Nos teus braços


Camila Karina
Cúmplices na poesia que acompanham este blog, meu post é uma homenagem ao escritor português José Saramago. Ele partiu hoje para outro plano de vida, aos 87 anos.

Quem me acompanha há tempos, sabe que frequentemente publico trechos, poesias e citações dele.

"Acho que na sociedade actual nos falta filosofia. Filosofia como espaço, lugar, método de refexão, que pode não ter um objectivo determinado, como a ciência, que avança para satisfazer objectivos. Falta-nos reflexão, pensar, precisamos do trabalho de pensar, e parece-me que, sem ideias, nao vamos a parte nenhuma."

Revista do Expresso, Portugal (entrevista), 11 de Outubro de 2008

16 de jun de 2010

Um pouco de planos
Um pouco de expectativa
Um pouco de idéias
Quem sabe
Feridas
A propósito
Proponho
Um sonho
Que se realiza
Nos percursos
Na vida
A propósito
Não siga regras à risca
Quem sonha
Se arrisca
Pode apostar
A propósito

Camila Karina

15 de jun de 2010

Que os ventos te levem
E te tragam
Que o tempo releve
Nos espere
Que o vento nos guarde
Nos entregue
Este céu
Este mel
Que o tempo nos preze
O tesouro preserve
Nos abrace com os ventos
Nos tempos
Até breve

Camila Karina

13 de jun de 2010

Para cada olhar
Um motivo
Para cada sorriso
Impreciso explicar
Para cada pensamento
Um novo ar
Renovado
Inesperado
Que altera
Transforma
Transborda
Para cada explicaçao incerta
A certeza de mudar
Para cada um
Para quedas
Para raios
Para mim
Para você
Ninguém para
Não importa
O disparate

Camila Karina

8 de jun de 2010

Destas cores que pintam os cenários
Das andanças
Sorrisos
Mudanças
Não resolvo nomes
Me enquandro
No traços indefinidos
Dos retratos
Que compõem meus ensejos
Desejos
Temores
De mim
Meus senhores
Que libertam
Meus opressores
Salvo as cores
Que pintam os cenários
E se lançam
Alcançam
Meus traços
Refaço
Aquarelas
De mim
Meus penhores

Camila Karina

7 de jun de 2010

Me esquivo
Me empurram
Me deparo com as aflições
Percalços
Complicações
Como um eu
Comum
Meu
Senso comum
Dos problemas
Dilemas
Em cena
A discrição


Camila Karina

6 de jun de 2010

Quanto mais velho, mais livre, e quanto mais livre mais radical

José Saramago

3 de jun de 2010

Mea culpa
Meio tempo
Meio termo
Meio a meio
Tanto receio
Meias verdades
Tantas metades
No devaneio
Da alma-cartão
Retiro selos
Espaços sem razão
No meu correio
Recebo inteiro
O coração
Chega primeiro

Camila Karina

1 de jun de 2010

Dois pontos
Nossa atmosfera
Encontros
Nossa alma espera
Encantos
O coração tem pressa
Embates
Choro, riso, austera
Descansos
Uma lembrança
A mais singela

Camila Karina

Pensaram por aqui

 

Copyright 2010 Paralelos do Cotidiano.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.