30 de dez de 2008



"Sendo este um jornal por excelência, e por excelência dos precisa-se e oferece-se, vou pôr um anúncio em negrito: precisa-se de alguém homem ou mulher que ajude uma pessoa a ficar contente porque esta está tão contente que não pode ficar sozinha com a alegria, e precisa reparti-la. Paga-se extraordinariamente bem: minuto por minuto paga-se com a própria alegria. É urgente pois a alegria dessa pessoa é fugaz como estrelas cadentes, que até parece que só se as viu depois que tombaram; precisa-se urgente antes da noite cair porque a noite é muito perigosa e nenhuma ajuda é possível e fica tarde demais. Essa pessoa que atenda ao anúncio só tem folga depois que passa o horror do domingo que fere. Não faz mal que venha uma pessoa triste porque a alegria que se dá é tão grande que se tem que a repartir antes que se transforme em drama. Implora-se também que venha, implora-se com a humildade da alegria-sem-motivo. Em troca oferece-se também uma casa com todas as luzes acesas como numa festa de bailarinos. Dá-se o direito de dispor da copa e da cozinha, e da sala de estar. P.S. Não se precisa de prática. E se pede desculpa por estar num anúncio a dilacerar os outros. Mas juro que há em meu rosto sério uma alegria até mesmo divina para dar."

Clarice Lispector


Cantinho da Neurose: Ah, nem vou reclamar..Feliz 2009!

8 de dez de 2008

O ano está nas ultimas linhas e geralmente ficamos reflexivos, fazendo um grande balanço do que vivenciamos e o que não vivenciamos..porém tudo com saldos positivos.
Estou a ponto de chegar a uma idade que sempre tive em mente que era o divisor de águas na minha vida. O engraçado é que, quando criança..participei de uma dinâmica, em que a professora pediu para escrevermos como nos veríamos (na época), com 10 anos a frente e que escondêssemos de nós mesmo a carta e só abríssemos quando tivessem passados os 10 anos.

Bom, os 10 anos passaram e escondi tão bem escondido que nunca mais encontrei. Mas minha memória escrita é muito forte e lembro-me de algumas coisas. Várias delas se realizaram, o que me faz crer que realmente é preciso acreditar com muita força nos desejos e sonhos e claro, uma pitada de sorte e fé. (mas isso varia de pessoa pra pessoa e em que ela acredita).

O fato é que muitas coisas mudaram. Outras não.

Mudanças, mudanças...sempre espero por elas, mas as vezes não as sinto. O bom mesmo é se olhar no espelho e encarar que certas características estão intrínsecas à nossa essência, ou como chamam cotidianamente: os defeitos. Foi neles que me peguei pensando diariamente, tentando achar uma “solução”. Existe solução para defeitos?
O que são os defeitos afinal? Se você começa tentar solucionar é possível que você perca um pouco de sua essência? Ou se tornara alguém melhor? Mas para tornar-se melhor não seria mais apropriado acentuar suas qualidades?
São muitas perguntas, paradoxos, e nesse mundo de perguntas repetidas resolvi não me perder e sim me acalmar.

O bom mesmo é vivenciar cada dúvida e quem sabe achar algumas respostas. Longe mim achar todas elas, senão, qual seria a graça de chegar o fim do ano e não ter nada pra refletir? Não, sou instintivamente questionadora, reflexiva. As respostas naturalmente aparecem quando eu já não estiver buscando nenhuma dessas, mas novas respostas.

Cantinho da neurose: mas já existe aquela velha frase.."Pensar enlouquece"..

28 de nov de 2008

A barulheira cotidiana me levou a pegar meus cd´s antigos: pop chiclete, clássicos do rock´n roll e música clássica. Meu espírito está se recompondo e a parte física-emocional idem. O céu não estava tão limpo hoje, adoro olhar as nuvens e imaginar figuras.

Fiquei pensando (pra variar), como é ingênuo você querer “classificar” alguém. Minhas conversas diárias sempre são o subsídio para escrever neste blog e hoje, rendeu um questionamento sobre porque cativamos várias qualidades ou defeitos de alguém e o que aprendemos com isso.

O real motivo não se sabe, mas uma das possibilidades é a conveniência. Sim, as relações são movidas por interesses não? Não falo do interesse pejorativo, precedido de más intenções, falo do interesse na boa companhia, nas conversas, nos conselhos, etc. Outros sim, interesses “convenientes”, na qual as pessoas utilizam da bondade alheia para ganhar qualquer coisa, menos o prazer da boa companhia.

Minha nostalgia invocou várias lembranças e claro, relações (de todos os gêneros) que se dissiparam. Acabei imaginando que cativei o pior lado de algumas pessoas e elas cativaram também o meu pior lado. Mas a partir de que momento você cativa o bem/mal de alguém? Creio que acontece quando os interesses começam a tomar rumos bem diferentes e a missão de um ser humano para com o outro termina ali. É hora de prestar atenção na lição que tal pessoa deixou. O legado de experiências.

Agora, o que fazer com esse legado é a questão. Continuo nostálgica. Você tem escolha claro, imagino que três tipos. Você pode aprender com os erros dos outros; aprender levando na cara ou não aprender nada e se dar conta de que não terá um momento parecido com o meu, a nostalgia nunca vai deixar você parado, olhando pro nada, rindo de grandes bobagens que na época pareciam o “fim do mundo”, pois não há nada para ser lembrado, muito menos acrescentado em sua vida.

Cantinho neurótico: Nem sempre fico neurada, hoje tem poesia..

"Eu sou nostálgica demais, pareço ter perdido uma coisa não se sabe onde e quando
. Clarice Lispector in Um Sopro de Vida .

25 de nov de 2008

Lendo várias coisas a respeito das grades (é, grades) que firmaram na frente do prédio da Ordem dos Advogados do Brasil da cidade de Macapá, as perguntas que surgem em minha cabeça são: isso é pauta? Isso é algo pra causar tanta polêmica? Pelamordepapai Noel. NÃO!

Fiquei impressionada e indignada com tanta repercussão de algo que soa totalmente provinciano e desnecessário, ainda mais por partir de veículos que considero totalmente vanguardistas (grandes m*** a minha opinião para eles, mas, eis-me aqui).
Prezam pelos velhos costumes de sentar na escada, de ficar horas conversando, sentindo o vento, blá blá blá... Realmente, são velhos costumes, o que, diante de todo o crescimento (inchaço) de Macapá, não é mais possível, porque os garotões e suas “tchutchucas” só fazem baderna, degradando totalmente o prédio da OAB.

Os velhos costumes são lindos, nostálgicos, mas creio que a principal preocupação dos responsáveis por tais grades foi a de conservar, ao menos, a pintura. Ninguém sequer lembra ou via muitos baderneiros tirando fotos em cima dos leões, pixando TODO o prédio? Não, ninguém lembra disso, só dos velhos costumes.

Dá licença, gente, mas esse papo de criticar grade é muito pra minha cabeça, com essa repercussão desnecessária. Por que ninguém fala da construção inacabada da praça zagury? Agora encrencaram com a grande da OAB e simplesmente não faz diferença, o prédio continua lá, intacto! Ah, sim, criticaram o designer. Conversa! Pode não ser a construção mais glamourosa, mas, sinceramente, não agrediu em nada a estrutura do prédio.

Aliás, passo lá pela frente e, agora sim, vejo os garotões e suas “tchuthucas” agindo “que nem gente civilizada”, sentadas em cima dos seus respectivos carros. É, porque banco na praça é mero enfeite..tem escada, tem carro, tem calçada..tudo isso pra sentar.

O fato é que não somos mais uma província, estamos “evoluindo”, mesmo que de maneira desordenada, mas estamos. Então, o que devemos preservar são os bons costumes e não hábitos antigos de quando não tínhamos um espaço pro lazer e diversão, e, claro, bancos pra sentar.

*Cantinho da Neurose: Haja paciêcia..!

22 de nov de 2008

Cheguei a uma conclusão: Não tenho mais tolerância com falta de educação.
Antes, quando visitava alguma loja,entrava em alguma repartição pública, pegava o ônibus ou qualquer andança por ai, me deparava com diversas amostras grátis da mais pura indelicadeza. Tudo bem tentava olhar por um prisma positivo (o que tem de positivo nisso mesmo?), mas essa semana chegou no ápice total do que chamamos “porta de acapú”.

E não é só comigo que isso acontece, tenho certeza. Mas vou relatar um episódio só pra sentirem o clima.

Lugar: Loja de artigos importados.
Track I: Eu no caixa.

Eu: Moça, com licença, quando é este brinco?
Ela: você não está vendo o preço? (ela lendo uma revista)
Eu: Como?
Ela: o preço está no brinco..( ainda lendo a revista)
Eu: no brinco da revista? Ou neste que está na minha mão?
Ela: no seu
Eu: deixei-a falando sozinha, fui com o brinco na mão até a gerencia.

Resultado: Não comprei a porcaria do brinco, o gerente coitado..tentou reverter e chamou a “princesa” até a sala dele.
Gente, isso é atendimento ao público? Educação não se aprende em curso de relações humanas, aliás, isso é um paradoxo, por que é a partir das relações humanas que você pode exercitar a gentileza.
Só sei que eu não tolero mais, porém, como dizia meu querido Paulo Leminski. “Tudo dito, nada feito. Fito e deito.”

*Cantinho da Neurose: E quando eu perco a calma..quem acaba entrando nessa estatística sou eu! Mas ora essa, sou ser humano também! E as vezes ser educado nem dá muito certo. :P

3 de nov de 2008

Eis que trago meu pacotes de emoções pra esse novo blog. No antigo eu simplesmente não consegui postar mais, todo dia era um problema diferente, me irritei e resolvi mudar de servidor.
Com essa mudança, também resolvi colocar um nome mais entusiasta, mais parecido com o que escrevo diariamente, ou quase, e quem sabe, ter contribuições dos leitores.

É isso, “nova casa” e muitas idéias na cabeça. E la vamos nós.

Locardes.

Pensaram por aqui

 

Copyright 2010 Paralelos do Cotidiano.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.