11 de abr de 2012

Deste um, entre vários sorrisos fáceis, algumas palavras, algumas ideias, e a partir dali, eram chamas. 
Chamas que foram domadas por este escudo de guerreiro que carregas, com honra e respeito. Vide fidelidade. 
Sem escudos nesta batalha, me perdi entre vários sorrisos, algumas palavras e ideias
Gosto de pensar que você também se perdeu, logo ali.
(E que continua perdido, até aqui)

Camila Karina


*Ah platonices...

1 comentários:

Ryzzan disse...

Anti-platonice

Ao tempo em que havia tempo, ele já sabia: “o que Deus não perdoa, o Diabo abençoa”. Mas o ordinário o abraçou, e ele cedeu.

Fingia acreditar que acreditava ser uma escolha e viveu uma vida, duas no máximo, a vida inteira. Cuidando e verdadeiramente amando essa que tinha (“que que amor tem a ver com felicidade?”).

Mas conseguiu manter o espírito, mesmo quando se deu conta que só fingia acreditar. Que aquele amor era corrompido pelo capricho de uma versão erótica certificada socialmente.

A consciência da canalhice pré-aprovada da proposta de vida com uma vida só o fazia sorrir, mas era só mais uma mentira.

Com a vida acabando, o “se” já nem angustia. Agora é tarde demais: foder o “se” devia.

Pensaram por aqui

 

Copyright 2010 Paralelos do Cotidiano.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.