10 de out de 2009

Um nó na garganta

As águas das pupilas que não desaguam

Um embrulho no estômago de socos da realidade pulsante

A gravidade sobrepondo-se na cabeça até que a sensação de explosão conclua-se internamente

Todos os globulos vermelhos convergindo-se para o orgão maior e menos visível

A temperatura efervecente como um anestésico.

Fecho os olhos.


ck

0 comentários:

Pensaram por aqui

 

Copyright 2010 Paralelos do Cotidiano.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.