16 de mar de 2013

À ninguém importa
o fardo que pousa mim
Dou-me de corpo e alma
e causo meu próprio desequilibrio
À ninguém importa
a reciprocidade que não existe
Continuo meu combate
e minha armadura resiste

Camila Karina

0 comentários:

Pensaram por aqui

 

Copyright 2010 Paralelos do Cotidiano.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.