29 de mar de 2010

Ai que trabalho me custa
querer-te como te quero!

Por teu amor dói-me o ar,
o coração
e o chapéu.

Quem me compraria a mim
este cintilho que tenho
e esta tristeza de fio
branco, para fazer lenços?

Ai que trabalho me custa
querer-te como te quero!

Federico García Lorca

0 comentários:

Pensaram por aqui

 

Copyright 2010 Paralelos do Cotidiano.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.