9 de mai de 2010

Um ponto
Sem nó
Ninguem oferece
sem interesse
Um nó
(o) cego
Ninguém esquece
A mim não convence
As cordas entrelaçadas começam a mostrar formas
Atadas por quem mostrou a que veio
Amarras, couraças e os maiores receios
Se atam, desmerecem o devaneio
Nas medidas (de)
Forças
Quem amarra (quem dá)
Um ponto
Sem nó
Se perde numa atitude em vão
Um ponto
Sem nó
As vezes peca pela imprecisão


Camila Karina

0 comentários:

Pensaram por aqui

 

Copyright 2010 Paralelos do Cotidiano.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.